quinta-feira, 16 de julho de 2015

PRAIA DA D.'ANA - LAGOS (1968) e PRAIA DA ROCHA em 1925

A meu pai, In memoriam 





AS CIGARRAS

     Com o fogo do céu a calma cai
       No muro branco as sombras são direitas    
       A luz persegue cada coisa até
       Ao mais extremo limite do visível
       Ouvem-se mais as cigarras do que o mar



Sophia de Mello Breyner Andresen
OBRA POÉTICA



                                                               Fotografia: J.SANTOS DIAS



                           REINO

     Reino de medusas e água lisa
       Reino de silêncio luz e pedra
       Habitação das formas espantosas
       Coluna de sal e círculo de luz
       Medida da Balança misteriosa







Sophia de Mello Breyner Andresen
OBRA POÉTICA






                                                                 Fotografia: J.SANTOS DIAS



                           MANHÃ



       Como um fruto que mostra
          Aberto pelo meio
          A frescura do centro

          Assim é a manhã
          Dentro da qual eu entro




Sophia de Mello Breyner Andresen
OBRA POÉTICA










 Fotografia: J.SANTOS DIAS 







II


DELPHICA


IV

Desde a orla do mar
Onde tudo começou intacto no primeiro dia de mim                                   
 Desde a orla do mar
Onde vi na areia as pegadas triangulares das gaivotas
Enquanto o céu cego de luz bebia o ângulo do seu voo
Onde amei com êxtase a cor o peso e a forma                                                   [necessária das conchas
Onde vi desabar ininterruptamente a arquitectura das                                                                               [ondas
E nadei de olhos abertos na transparência das águas
Para reconhecer a anémona a rocha o búzio e a                                                                                    [medusa
Para fundar no sal e na pedra o eixo recto
Da construcção possível

Desde a sombra do bosque 
Onde se ergueu o espanto e o não nome da primeira                                                                                [noite
E onde aceitei em meu ser o eco e a dança da                                                      [consciência múltipla

Desde a sombra do bosque desde a orla do mar

Caminhei para Delphos
Porque acreditei que o mundo era sagrado
E tinha um centro
Que duas águias definem no bronze de um voo                                                           [imóvel e pesado

Porém quando cheguei o palácio jazia disperso e                                                                        [destruído

As águias tinham-se ocultado no lugar da sombra                                                                    [mais antiga
A língua torceu-se na boca da Sibila
A água que primeiro eu escutei já não se ouvia

Só Antinoos mostrou o seu corpo assombrado
Seu nocturno meio-dia

                                                                                Delphos, Maio de 1970






Sophia de Mello Breyner Andresen
OBRA POÉTICA














                             PRAIA DA ROCHA - PORTIMÃO (1920)






Quem me roubou o tempo que era um
quem me roubou o tempo que era meu
o tempo todo inteiro que sorria
onde o meu Eu foi mais limpo e verdadeiro
e onde por si mesmo o poema se escrevia


                                                                                                                                          Setembro de 2001




                                                          Sophia de Mello Breyner Andresen
OBRA POÉTICA








PRAIA DA D.'ANA - LAGOS (1968)

Fotografia de: J. SANTOS DIAS


Foi neste delicioso habitat que, desde tenra idade, me habituei a passar férias com meus pais. Desde há poucos anos a esta parte assisto pacivamente à sua progressiva destruição pela mão do assim chamado H.Sapiens Sapiens. Mareja-se-me a alma. Dele resta-me a sua memória para me a presentificar.