sexta-feira, 18 de Julho de 2014

in memoriam



                                             EPITÁFIO


                                             


                       De mim não buscareis, que em vão vivi
                       de outro mais alto que em mim próprio vivia.
                       Se em meus lugares, porém, me procurardes
                       o nada que encontrardes
                       eu sou e a minha vida.

                       Essas palavras que em meu nome passam
                       nem minhas nem de altura são verdade.
                       Verdade foi que de alto as desejei
                       e que de mim só maldições cobriam.
                       Debaixo delas a traição se esconde,
                       porque demais me conheci distante
                       de alturas que de perto não existem.

                       Fui livre, como as águas que não sobem.
                       Pensei ser livre, como as pedras caem.
                       O nada contemplei sem êxtase nem nem pasmo,
                       que o dia a dia
                       em que me via
                       ele mesmo apenas era e nada mais.

                       Por isso fui amado em lágrimas e prantos
                       do muito amor que ao nada se dedica.
                       Nada que fui, de mim não fica nada.
                       E quanto não mereço é que me fica.

                       Se em meus lugares, portanto, me buscardes
                       o nada que encontrardes
                       eu sou e minha vida.



                                                                                      8/1/1953






JORGE DE SENA
Obras Completas
     Poesia I





 

                                                                         
JORGE DE SENA
Obras Completas
     Poesia I



                     



quinta-feira, 3 de Julho de 2014

APOLO MUSAGETA COM AS SUAS SEIS MUSAS.

APOLO MUSAGETA


APOLO MUSAGETA




                                   APOLO MUSAGETA




Eras o primeiro dia inteiro e puro
Banhando os horizontes de louvor.

Eras o espírito a falar em cada linha
Eras a madrugada em flor
Entre a brisa marinha.
Eras uma vela bebendo o vento dos espaços
Eras o gesto luminoso e dois braços
Abertos sem limite.
Eras a pureza e a força do mar 
Eras o conhecimento pelo amor.

Sonho e presença
De uma vida florindo 
Possuída e suspensa.


Eras a medida suprema, o cânon eterno
Erguido puro, perfeito e harmonioso
No coração da vida e para além da vida
No coração dos ritmos secretos.







SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESON
              OBRA POÉTICA







SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESSEN



           



                                                   MAR




                                                       I


                        De todos os cantos do mundo
                         Amo com um amor mais forte e mais profundo
                         Aquela praia extasiada e e nua,
                         Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.



                                                       II


                         Cheiro a terra as árvores e o vento
                         Que a Primavera enche de perfumes
                         Mas neles só quero e só procuro
                         A selvagem exalação das águas
                         Subindo para os astros como um grito puro.




   

       

      Sophia de Mello Breyner Andresen
                    Obra Poética