quinta-feira, 20 de agosto de 2015

PERDI MAIS UM BOCADO DE MIM.




À MINHA AMIGA LURDINHAS   in memoriam





               

             À SOMBRA DE HOMERO


É mortal este agosto - o seu ardor
sobe os degraus todos da noite,
não me deixa dormir.
Abro o livro sempre à mão na súplica
de Príamo - mas quando
o impetuoso Aquiles ordena ao velho
rei que não lhe atormente mais 
o coração, paro de ler.
A manhã tardava. Como dormir
à sombra atormentada
de um velho no limiar da morte?
ou com as lágrimas de Aquiles,
na alma, pelo amigo
a quem dera à pouco sepultura?
Como dormir às portas da velhice
com esse peso sobre o coração?




Eugénio de Andrade









Quando percorro estes lugares, minha querida Lurdinhas, tu estás sempre comigo, como outrora aconteceu. No mar, com Sol e serra, tu nadarás a meu lado até que eu chegue perto do lugar supra-celeste onde te encontras. Sabes, minha Amiga, "morrem cedo aqueles a quem os deuses amam". Subiste todos o degraus e atingiste a imortalidade. Descança agora em Paz com todos os imortais do Eliseu.


quinta-feira, 13 de agosto de 2015

A new chapter opens in the study of the Assyrian empire

A new chapter opens in the study of the Assyrian empire

DE HIPÉRION PARA BELARMINO




           PALMELA                                                                                       Fotografia: G. SANTOS DIAS
      S. TORPES                                                                                                  Fotografia: G. SANTOS DIAS                                                           

Génios ditosos, caminhais 
                    Sobre suave chão, na luz do alto!
                Brisas brilhantes, divinas,
                      Tocam-vos ao de leve,
                                    Como os dedos da artista
                                      As cordas sagradas.


Como a criança, sem destino,
          Respiram no sono, os Celestiais;
  Castamente guardados
    Em botão discreto,
                     Para eles se abre em flor
                          Eternamente o Espírito,
                           E os ditosos olhos
                                       Contemplam em serena
                                    Eterna claridade.



                                                                                                          FRIEDRICH HOLDERLINE
                                                                    HIPÉRION                                                        OU O EREMITA DA GRÉCIA


       PRAIA DA ROCHA                                                                                Fotografia: G. SANTOS DIAS                         



       PALMELA                                                                                   Fotografia: GLÓRIA SANTOS DIAS                                     

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

PRAIA DA ROCHA

                                                                                       Fotografia: Maria Lima



Longee nítidos cavalos caminham os caminhos 
Duma aventura perdida.
Próxima a brisa
Abre-se no ar.

É o azul e o verde e o fresco duma idade
Morta mas que regressa
Com os seus cavalos de cristal
Que se vão esbarrar no horizonte.






          



         Sophia de Mello Breyner Andresen
                        OBRA POÉTICA








                                                                                                 Fotografia: G. Santos Dias.








A MINHA MÃE













A minha mãe, caracterizada pelas palavras do Professor Frederico Lourenço:


"... parece-me cristalinamente claro que o sentido da vida é viver cada momento
a cem por cento, em tempo real, e de acordo com a seguinte fórmula: a atenção que prestamos aos outros sem esperarmos nada em troca tem sempre que predominar, nem que seja um milímetro, sobre a atenção que damos a nós mesmos."


É, em conformidade com esta maneira de pensar, que a minha mãe tem vivido. 










terça-feira, 11 de agosto de 2015

10 AGOSTO 2015






És tu a Primavera que eu esperava
A vida multiplicada e brilhante
Em que é pleno e perfeito cada instante













Sophia de Mello Breyner Andresen